sábado, 27 de junho de 2015

Um ano


Nossa boda de papel, meu bem!
Esperei um ano pra te dizer isso
Que hoje...
Algo que começou com escritos no papel
É escrito no pano estrelado
Que nos une para nossos encontros.

Um ano, meu amor!
Há um ano descobri o gosto do verdadeiro amor...
E ele é tão bom
Que quase há um ano o espero para senti-lo de novo.

Nossa boda de papel, meu bem!
E que no papel estejam sempre nossas histórias
Para que entremos para a História 
Das mais lindas histórias de amor.
Um poeta e uma não poetisa.
Oh, meu príncipe... meu sonho de crescida
De contos de fadas...

E para que tudo não seja "um ano"...
Sonho com sua chegada em um alazão branco, meu príncipe
Daqui um mês (e dois dias)
Para uma vida de felizes pra sempre, do nosso jeito!

Por hoje apenas te amo... quero te amar... meu amor 

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Meu Pequeno Grande Príncipe


Hoje se faz necessário poetizar
Meu universo de sonhos literários hoje são reais
Por e com você.

Rimo lágrimas de alegrias
Com risos de saudades.
Verso tuas mãos ao redor da minha cintura
E dançamos aquela música que não toca.
Sim, somos bobos apaixonados que bailam ao som da brisa.
Levamos nossas certezas pelo ventos
Porque assim chega mais rápido que por sedex.

Na passagem o reencontro marcado
Para um recomeçar de sonhos,
Na parada um café que esquenta
Para preparar o novo por vir,
Na chegada terá o calento
Para que não seja passageiro
No depois... bom, só depois poderei contar como é/foi/será.

Príncipe, que ponho-me a chamar de meu,
Gostaria que isso fosse um segredo nosso
Mas não posso privar o mundo de saber do nosso conto.
Canto aos quatro cantos o quanto você é tanto para mim,
O quanto meus dias são tudo se você os faz serem vida.
Tão bagunçado quanto coração com saudades de seu amor
Nada lógico quanto você ser matemático e poeta
Tão verdadeiro quanto você ser você
E causar tudo isso em mim.

E no fim, tudo isso foi só pra dizer Feliz Aniversário, meu bem.
Seu primeiro aniversário meu. Meu primeiro momento seu, 
Que não iria passar sem ser poetizado.

Poeta, por hoje quero te amar...apenas te amo... pra sempre e mais um dia (no nosso infinito particular).

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Por fim


Por fim o fim
Fim da espera.
Eis a chegada,
Chegada do motivo,
Motivo do meu sorriso
Sorriso causado por você
Um tal você que me faz amar.
Ah mar... que não mais nos separa
Separará em breve
Mas breve será o infinito

Para nossas lembranças desta vinda.

Algo para que jamais encontrarei um final


O que pode sentir um coração ferido pelo tempo?
A quantas desilusões um coração pode se entregar?
Quantas vezes ainda você vai sangrar? Derrubar-me? Tentar me matar?
Meus sonhos de criança feliz foram destruídos em uma noite, a dor e a distancia me transformaram em uma pessoa carente, busquei me confortar em vários colos, amigos, família, namorado, mas não adiantou... Precisava mesmo era do seu amor (do seu “ser pai” ).
Mas tudo isso passou no momento que você me abraço no seu leito e me disse “Me perdoa, filha, eu te amo muito e me arrependo de ter te abandonado. Você e sua mãe são as duas mulheres da minha vida!”.
E assim somos nós dois...


Acho que esse, eu jamais terminarei de escrever. Em sua memória minhas memórias de um “nós dois” que não existiu.

domingo, 27 de julho de 2014

Carta

Ponta Grossa, 27 de Julho de 2014

Meu Sonny,
Quem sabe um dia, deixe de criar esse verso sozinho
e encontre em minhas palavras, as que eu não sei escreveralgo simples.
Queria eu ter a malícia que suas mãos de poeta tem
por fim encontrar a luz que guiará meus passos no escuro,
que me levará aos teus braços,
pois o que escrevo aproxima-me dos seus olhos.

Quantas noites em meu quarto
deixei-me enamorar por esse sorriso bobo,
mas agora, agora falta pouco,
em breve seu navio aportará
e antes de lhe entregar essas memórias que sei escrever
me calarás com seu beijo:
Aqui estou, Meu amor!
Bem Vindo, navegante! Você me tem!
3 dias para amar, meu bem
que dentre esse tempo o infinito seja nosso aliado.
Do infinito... ah, dele espero essa loucura
que nos faz quebrar os parâmetros da vida.
Sabe, para fazer tudo isso pensei "por quê?"
Talvez apenas amo-o.
Um dia eu pensei como fez isso comigo?!
Por que você? Por que eu?
Sei lá, estou rendida aos seus versos,
eu quero apenas lhe amar.
Hoje me tens nesse diferente amor
que por mais incerto e humano, exata-me.
Insisto em minha contradição existencial
mas um bom sussurro, ao meu ouvido, sobre nós
me fez sorrir, fechar os olhos, apertar sua mão
e dizer amém,
pois se for pra ser então será. Que rotinemo-nos, então.

Se fizemos 3 dias se transformarem e 1 mês,
faremos dos nossos sonhos realidade,
por mais que pareça que uma coisa
não tem nada a ver com a outras,
sabemos que tem.

Te amo, meu bem!
Beijos!

Essa carta é Para: Eduardo De: Mônica
CAIXA POSTAL: 84020776 PONTA GROSSA, PR.